Notícias

Brasil Central quer incluir agências de fomento para financiar produtores rurais

02/06/2017 - ​Ramiro Bavier/Governo do Tocantins

Produtores rurais devem contar com mais oportunidades de escolha na hora de buscar financiamentos para seus projetos em instituições financeiras. Essa foi uma sinalização feita pelos governadores do Brasil Central, durante o 3º Fórum da entidade, que ocorreu em Palmas, nesta sexta-feira, 2.

Atualmente, o Banco da Amazônia é responsável por atender esses produtores - da agricultura familiar ou empresarial, viabilizando recursos por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) ou do Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).

Presente na reunião, o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, adiantou que já existem discussões internas para que o Banco do Brasil também passe a ser mais uma instituição financiadora dos recursos desses fundos.

Aproveitando a ocasião, após apresentação feita pelo ministro Helder Barbalho, da oscilação dos valores contratados pelo FNO e pelo FCO, os governadores aprovaram o pleito para que sejam capitalizados 7% de recursos das agências de fomento dos estados consorciados do Brasil Central, como forma de fortalecer e ampliar o leque de opções para os produtores. Ofício nesse sentido, aprovado durante a reunião, será encaminhado para o Ministério da Integração Nacional. A ideia é aumentar a concorrência e a competitividade e, assim, melhorar os serviços oferecidos.

O que o Governo Federal pretende, segundo o ministro, é “retomar a confiança e o interesse dos clientes na aquisição dos recursos dos fundos” mencionados. Do Norte, o Tocantins teve uma redução de menos de 1% (0.8) nos valores contratados do FNO com Banco da Amazônia, considerando janeiro a abril de 2016 (R$ 126,3 milhões) com o mesmo período de 2017 (R$ 125,5 milhões).

Sobre os dados do Tocantins, o governador Marcelo Miranda disse que já há políticas de incentivo para os produtores, elogiou o trabalho do ministro, mas também solicitou que o Ministério da Integração atue junto ao Banco da Amazônia para que as operações e as análises dos projetos no Estado tenham mais celeridade. “Essa é uma responsabilidade de todos. Com o pleito da inserção das agências de fomento, acreditamos que isso vá favorecer os produtores, não somente do Tocantins, mas de todos os estados consorciados e também do Brasil”, enfatizou.

Segundo Helder Barbalho, o ministério tem a seguinte previsão de aplicação de recursos dos fundos para 2017: FNO (R$ 4,6 bilhões) e FCO (R$ 10,2 bilhões). Outro ponto considerado relevante, para o ministro, foi a inclusão dos estados da Região Norte do País na renegociação de dívidas, contratadas até o dia 31 de dezembro de 2016 (Lei nº 13.340/2016). Com isso, dados do final de abril deste ano, por exemplo, mostram que o Tocantins já apresentou 922 pedidos de renegociação, representando um volume de R$ 126,7 milhões. Já Rondônia, entrou com 888 solicitações de renegociação, significando R$ 34 milhões em recursos.

Helder Barbalho elogiou a iniciativa do Fórum Brasil Central. “É um conjunto de governadores de estados importantes desse País que se unem para debater e construir soluções. Estamos diante de um caminhar em que o protagonismo será o de colaborar com o Brasil”, concluiu.

Compartilhe esta notícia